00:00 |Paris
00:00 | Lisbon
De onde vÍm os participantes internacionais
De onde vÍm os participantes internacionais
Discurso do Presidente da República no jantar do Palácio de Queluz por ocasião do primeiro encontro do Conselho para a Globalização

Senhor Presidente da Comissão Europeia
Senhor Ministro de Estado e das Finanças
Senhor Ministro da Economia e da Inovação
Senhor Presidente da Câmara Municipal de Sintra
Senhor Presidente da COTEC
Senhoras e Senhores

Está hoje aqui connosco um grupo significativo de líderes de empresas globais que participaram no primeiro encontro do Conselho para a Globalização.

Vieram de vários cantos do planeta: da Europa, de Africa, dos EUA, do Brasil, do Médio Oriente e da Ásia.

Trata-se de um grupo ímpar, que tem a seu cargo a gestão de organizações globais, com actividades em todo o mundo, todos com forte aposta na I&D, habituados a tomar decisões sobre investimentos significativos. A sua vinda a Portugal tem o maior alcance e é uma excelente oportunidade.

A este grupo junta-se, esta noite, o conjunto das 100 maiores empresas portuguesas, associadas da COTEC, as quais já deram prova da sua capacidade para enfrentar as exigências da globalização e aproveitar as oportunidades que ela encerra, e a quem saúdo.

O objectivo da primeira reunião do Conselho para a Globalização foi o de congregar a reflexão e o entendimento de líderes empresariais, influentes a nível mundial, quanto à forma de promover uma Globalização Plural. Tratando-se de uma iniciativa portuguesa, realizada em Portugal, o tema remete, naturalmente, para os desafios e as oportunidades que a Globalização abre a países como Portugal.

A expressão “globalização” significa a crescente mobilidade de bens, serviços, trabalho, ideias, tecnologia e capital à escala planetária. Apesar de não ser um fenómeno novo, a globalização intensificou-se, desde logo, pela combinação de um conjunto de factores de natureza política e económica: a estabilidade do pós-guerra, a criação e consolidação das Nações Unidas, a criação de instituições para gerir as regras do comércio internacional, o fim do colonialismo, a redução progressiva das barreiras que condicionavam o comércio e o investimento internacionais, as transformações económicas iniciadas pela China no final da década de 70, a dissolução do bloco de leste no fim dos anos 80, as reformas económicas realizadas na Índia democrática nos anos 90.

A este conjunto de factores veio associar-se um poderoso catalisador: uma revolução tecnológica que não só aumentou exponencialmente a qualidade e a velocidade das comunicações, como reduziu vertiginosamente os custos de produzir, processar, armazenar e transportar informação. O mundo passou a estar dotado de infra-estruturas de comunicação planetárias, acessíveis a partir de qualquer tipo de equipamento, a qualquer hora, de qualquer lugar.

Nos chamados países emergentes, a abertura dos mercados retirou milhões de pessoas da pobreza, abrindo esperança e criando novos horizontes de bem-estar. Para qualquer país, incluindo os países mais pobres, o grande risco que se coloca é o de ficarem isolados da globalização.

O desafio já não é “Pensar Global e Agir Local”, o desafio agora é outro: “Pensar Global, Agir Global”. Por outras palavras: fornecer produtos e serviços globais, concebidos por talentos globais, baseados em conhecimentos globais, para mercados globais.

A primeira reunião do Conselho para a Globalização mostrou como a competição à escala global está, ela própria, a mudar. Está a emergir uma economia cada vez mais baseada no conhecimento. E o conhecimento necessário para uma empresa competir à escala global não está num só lugar ou país, está disperso pelo mundo.

O desafio actual consiste em ser capaz de inovar, aprendendo com o mundo. Consiste em ser capaz de identificar conhecimento disperso pelos mais variados pontos do mundo, de combiná-lo e de alavancá-lo à escala global. Numa economia do conhecimento, não há países periféricos. Há líderes empresariais capazes de descobrir o conhecimento disperso pelo mundo fora, com o qual irão construir a sua vantagem competitiva, capazes de mobilizá-lo à escala global, capazes de aumentar o seu nível de eficiência.

Uma empresa não precisa de pertencer a uma economia rica para competir no mercado global. Os empreendedores e empresários portugueses não têm de ficar limitados ao contexto ou à conjuntura nacional. O Presidente da República portuguesa tem a firme convicção de que saberão usar, como outros, o mundo como fonte de conhecimento, inovação e competitividade.

back
Globalization Council
Fotos
Veja as Fotos
10 Novembro 2006
Hotel Penha Longa
Sintra
10 Novembro 2006